Categorias
Compra

Dar o carro na entrada do imóvel, o que considerar?

Para realizar o sonho da casa própria vale tudo, inclusive dar o carro na entrada do imóvel.  Mas, como a realização desse sonho pode e normalmente deve implicar em sacrifícios, é importante considerar e colocar no papel todas as alternativas e meios de renda para que esse ele seja completo e perfeito. É preciso considerar alguns pontos, por exemplo, a rotina de trabalho e família.

O carro é um bem sobre o qual deve ser pensado se realmente será revertido em investimento para a compra do imóvel. A primeira pergunta é “será que realmente compensa abrir mão?” e a partir dela buscar entender outras situações abaixo.

Valor do carro

DIferente do imóvel, que ao longo dos anos é valorizado, o carro é um bem que se desvaloriza com o tempo e, dependendo do ano, seu valor de mercado será bem abaixo do que é necessário para investir na entrada de um imóvel, por isso, pesquise na Tabela FIPE o valor do seu veículo. O vendedor, imobiliária ou construtora fará a mesma pesquisa, e bem provavelmente não dará um valor acima da tabela.

Vantagens do carro

É importante pontuar quais são as vantagens que o carro proporciona para a rotina de trabalho, familiar e algo que deve ser cuidado que é o lazer. Os gastos com IPVA, gasolina e manutenção também precisam ser calculados e comparados aos gastos com a mobilidade, o deslocamento para o trabalho também deverá ser calculado, bem como o tempo que se gastará a mais no dia com o transporte público etc.

Boa entrada: mensalidades menores

Ao analisar o valor de mercado do carro, considere alguns pontos sobre a compra do imóvel:

  • Quanto maior a entrada, menos mensalidade
  • O ideal é que você já tenha uma poupança para que não dependa somente do carro para que você não perca dinheiro
  • Em média o valor de entrada equivale a 30% do valor do imóvel
  • O mesmo valor é o que pode ser comprometido para que se consiga financiamento. Sendo assim, é importante saber que o valor da mensalidade não pode comprometer mais do que 30% da renda bruta familia
  • É possível que parentes somem suas rendas à renda bruta para o financiamento
  • Os juros estão mais altos por conta da crise político-financeira, média 11% ao ano

Além disso, é importante colocar no papel os gastos com a documentação, cerca de 6 a  8% do valor do imóvel, e ainda os gastos com a mudança, despesas essas que podem ser cobertas pelo valor do carro também. Mas, ainda assim, o importante é ponderar. Colocar no papel os números e ainda os valores emocionais e sociais que envolvem essa troca e o sacrifício que será a entrega do carro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *